Quem sou eu

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Sessão: fim da burrice e estupideza humana.

Nova lei proíbe som alto em carros parados nas ruas de SP

O prefeito Fernando Haddad (PT) sancionou nesta quinta-feira (30) um projeto que proíbe o uso de aparelhos de som portáteis instalados em carros estacionados que emitam som alto. Estão entre os proibidos os aparelhos de rádio, televisão, vídeo, CD, DVD, de MPs, Ipods, celulares, além dos alto-falantes e até instrumentos musicais.

De acordo com projeto aprovado na Câmara no último dia 7, é considerado som alto aquele que atinge 50 decibéis --o equivalente a uma conversa em voz alta numa sala, mas suficiente para acordar alguém em sono profundo. A definição sobre isso, porém, só ocorrerá na regulamentação da lei, que ocorre em 60 dias. Somente quando o prefeito regulamentar a lei que ela passará a ser fiscalizada.

fonte: folha

comentário do altecir: o que a gente lamenta e fica indignado é com a estupideza dessa "gente". O cidadão compra um carro e inutiliza todo o porta-mala prá colocar auto-falantes, com o único propósito de incomodar os outros, e o pior, estas gurias babacas que ficam se fresqueando, vamos respeitar e se dar o respeito.

sábado, 25 de maio de 2013

Olha só que tri...

Cinco desvantagens de ser um vegano

Do que os veganos reclamam quando estão entre eles? A advogada e escritora Patti Breitman revela os pensamentos íntimos de muitos veganos, em um artigo recentemente publicado pelo site Veg Source. Confira!

Tristeza do banheiro

Enquanto a maioria das pessoas que conhecemos consegue folhear uma revista ou checar o seu e-mail enquanto está no vaso sanitário, comida vegana é tão rica em fibras, que não ficamos tempo suficiente no banheiro para ler qualquer coisa. Apesar de irmos às vezes duas ou mais vezes ao dia, saímos rapidamente, e não há leitura no vaso para nós. Além disso, nós gastamos mais papel higiênico do que não-veganos, e o usamos em uma quantidade que iria chocar as pessoas que mantém laxativos no seu armário. Você poderia dizer que nós somos número um no número dois. Mas isso não é algo sobre o qual podemos conversar em companhia de pessoas educadas.

Sem repetições

Em reuniões em que o tipo de serviço é o de buffet e não-veganos são a maioria, os pratos veganos estão sempre entre os mais populares. Por consequência, quando nós voltamos para outra porção de lasanha vegana, da salada que não tem queijo, ou dos brownies veganos, eles invariavelmente acabaram. Nós adoraríamos repetir em jantares em que cada um traz o seu prato e em piqueniques, mas a comida vegana raramente dura tanto quanto os pratos de carne e laticínios. Se você está lendo isso, por favor, leve um prato vegano para em seu próximo evento.

Preso no meio

Estatisticamente, veganos são mais esbeltos do que nossos amigos carnívoros. Então, quando cinco pessoas andam em um carro, nós normalmente somos designados como o passageiro do meio no banco de trás. Nós não nos importamos tanto assim. Mas gostaríamos de sentar no banco da frente de vez em quando. Motoristas: por favor, coloquem pra fora aquele cinto de segurança do meio para nós antes de ficarmos bochecha a bochecha com os outros dois passageiros.

Indecisão

Veganos têm opções demais quando compram leite. Nós temos que decidir se queremos leite de amêndoas, de arroz, de soja, combinações de arroz/soja, de coco e muitos outros. Como se isso não fosse suficiente, nós ainda precisamos escolher entre baunilha, chocolate, original, sem adição de açúcar ou enriquecido. Então, enquanto nossos corações estão se despedaçando pelas vacas e seus bebês, às vezes nós somos confundidos pela variedade de leites sem lactose que nos deixam sem ar com indecisão.

Confessionário

Quando as pessoas ficam sabendo que somos veganos, elas se sentem compelidas a nos contar o que elas comeram na sua refeição mais recente. Frequentemente, é confiado aos veganos o papel de confessor, pois amigos se confessam conosco, “Eu quase nunca como carne vermelha mais” ou “Eu me lembrei de você ontem à noite: comi a salada mais maravilhosa com o meu jantar. Opa, mas eu comi peixe”. E enquanto nós tentamos muito apoiar qualquer ação que leve a uma alimentação mais consciente, nós desejamos mesmo que essas pessoas nos imitem ao invés de se confessarem para gente. Eu acho que é uma boa coisa que outros busquem nossa aprovação e nossa benção, o que provavelmente significa que eles pensam que nós estamos no caminho certo. Mas nós queremos dizer a essas pessoas: É um caminho largo o suficiente para todos! Juntem-se a nós!

Patti Breitman é vegana e autora (com Connie Hatch) do livro “How to Say No without Feeling Guilty” e (com Carol J. Adams) de “How to Eat like a Vegetarian Even If You Never Want to Be One”.

fonte: anda

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Você tem escolha, não mate

video
fonte: vista-se

comentário de Rubia Diniz no site do vista-seÁs vezes o silêncio fala muito mais que palavras....O que mais marcou nesse pequeno vídeo foi o olhar (frente a frente) entre nós humanos e o animal como que suplicando pela vida...Muito triste...

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Chico Buarque - passaredo

Sobre ter um animal de estimação ou ‘Tenha fé, meu filho’


Então há a posse, essa coisa que permite ao dono brincar de divindade com o animal de estimação. Comprei, paguei, achei, adotei, ganhei, prendi lá no fundo do pátio. Dou comida e água, ‘é bem tratado’. Mas às vezes o Deus dos animais acorda de ressaca, ou fica dois dias fora de casa, ou precisa descontar em alguém a raiva do patrão, esposa, sogra, presidente da República, time de futebol ou imposto. E há um fiel só, que reza em boa parte do dia, no fundo do pátio ou mesmo em cima do sofá, ‘como se fosse da família’. Pode sobrar castigo para esse devoto, ou não. A divindade chutou a porta, mas não o cachorro. Deu meia-volta e deixou comida para o gato, em plena saída para a praia.

Em ambos os casos, exerceu seu poder sobre a vida em quatro patas que sua vontade dita os desígnios. Um bom Deus, ou não. O que socorre ou o que deixa morrer embaixo do Sol – não por desconhecimento, mas por decisão. Um fiel ganha banho e tosa e lacinho nas orelhas, o outro ganha um osso quadrado do churrasco se tiver sorte. Ambos olham para cima e esperam o que virá. Objetos que comem e fazem cocô diariamente, mas com um papel pré-fixado desde o começo e esta é a hora de comer, este é o lugar para ficar, este não é o lugar para ficar, esta é a hora de latir para o ladrão, esta é a hora de não fazer barulho, seu desgraçado, que eu quero dormir.

E há divindades que escolhem sua rêmora pelo fetiche do que é fofo, do que cabe melhor no apartamento, do que é para patricinha, do que é para lutador de jiu-jitsu, do que está na moda – o pitbull de hoje já foi dobermann nos anos 80, que já foi pastor alemão nos anos 70. Só muda o nome de quem assina o cheque.

E os animais ainda estão presos à escolha do encaixe na vida das pessoas, ‘um cão bom para ter no sítio’, ‘um gato que não incomoda’, ‘um passarinho pra fazer companhia pra vó, tadinha, né?’. À espera de que seu destino, que não mais lhe pertence desde que viraram alvo, fotos de catálogo, nicho de mercado, escravos patetas que trabalham independente de condições. Anos à frente de seus focinhos, uma linha reta sem escolhas, mas o eterno aguardo pela mão divina que vai lhes tocar carinhosamente o cangote por alguns segundos. Se a reza foi com fé.

fonte: Vanguarda Abolicionista - Marcio de Almeida Bueno

terça-feira, 21 de maio de 2013

Carne é carne, morte é morte

O que vai ser hoje?
      porcos
 ou
                     humanos

Respeite a vida de todos os seres, seja vegetariano...ainda dá tempo... 

sábado, 18 de maio de 2013

Olha só que tri

Porca gigante é melhor amiga de professora inglesa


A professora de música, Maria Cooper, de 29 anos, tem como animal de estimação, e melhor amiga, uma porca. A moça, ao contrário do que se possa imaginar, não vive em uma fazenda, mas na cidade de Kent, no Reino Unido, e divide sua casa com o “bichinho” aí da foto, o marido e dois filhos.
fonte: virgula

sexta-feira, 17 de maio de 2013

O homem das capacidades

A capacidade do homem sonhar. A capacidade de amar. De perdoar. De esquecer o que lhe fizeram de mal e tocar pra frente a vida. A capacidade de abdicar de si para ajudar quem precisa. A capacidade de doar-se em benefício de uma causa. A capacidade de crescer sem esquecer quem foi um dia. De ficar velho e rir de bobagens como quando criança. A capacidade de se sensibilizar com uma dor que não é sua. De fazer várias coisas ao mesmo tempo. De falhar e aprender. De falhar e continuar falhando até aprender, um dia. A capacidade de organizar-se em comunidades. De compartilhar o que gosta com os outros. De aprender a gostar de coisas novas. Ou de ver que algumas delas não são pra ele mesmo. A capacidade de reverter o rumo de hábitos tão antigos, que parecem ter vindo da pré-história. A capacidade de ser “ser humano”: um animal tão especial, que a Terra, em toda sua majestade, oferece a ele tudo o que tem, tudo o que verte, tudo o que brota, tudo o que brilha e tudo o que aquece e refresca. Ser humano, este ser que tanto sabe e que tanto há de saber, e que tanto faz de bem e tanto bem ainda há de fazer… Abra os olhos, ouça o clamor de seus irmãos animais. Eles choram todos os dias, eles sofrem calados, eles são torturados, escravizados, humilhados e mortos aos milhões, a cada minuto que passa. A capacidade do homem de chocar-se com a maldade, com a ignorância, com o egoísmo… A capacidade de crescer moralmente. De ser hoje melhor do que foi ontem. De superar vícios. De trocá-los por virtudes louváveis. De servir de exemplo para os outros, e de modelo para seus filhos. Acorde. Você é capaz. Transforme a sua realidade, a realidade de quem o cerca e a de todos aqueles seres que, na mesma exata medida que você, merecem viver livres, felizes e em paz em nosso planeta. Conheça o veganismo.

Cronicato - Rogério Rotheje

Pantera necessita ajuda


Cão que já enfrentou um tumor, adoeceu novamente e precisa de ajuda com tratamento, em SP

O Pantera passou muito mal na última semana, tentamos medicá-lo no hotel, sob orientação dos veterinários, mas ele só foi piorando. Ficou 3 dias sem aceitar comer ou beber água, só tomando soro subcutâneo. Ele ficou com vômito, diarréia escura e cor mostarda com aspécto de “gelatina”, com febre altíssima, sem levantar a cabeça, sem interagir. Tive que ir as pressas neste domingo de dia das mães buscá-lo em Araçariguama e levá-lo para Santo André para ser internado no hospital Dr. Hato, onde permaneceu internado até ontem pela noite.

Foi diagnosticada a gastroenterite aguda, mas neste um dia de internação ele começou a responder ao tratamento e teve alta para continuar o tratamento em casa.

Aproveitando, o cirurgião já o avaliou, pois na região que ele ficou com uma ligação da boca com a área interna do nariz, será possível sim fazer cirurgia para fechar este local, e consequentemente ele vai parar de ter problemas ao respirar, não vai mais correr o risco de engasgar, pois quando ele come, o risco de passar alimento para os pulmões é grande.

Agora passados 6 meses de término do tratamento onde a doença foi extinta, de fato podemos fazer sim a cirurgia, que infelizmente é muito cara, custa mais de R$1.400,00, mas assim que o Pantera estiver melhor da gastroenterite passo um e-mail especificando valores e detalhes. Vamos por partes não é?

Peço encarecidamente mais um socorro a este anjo guerreiro. Faltei em trabalho e tudo mais para poder correr com tudo, mas não tem como fazer milagre nas contas. Fiz o emergencial, não deixei sofrendo, com dores, dei tudo o que precisou, sem pestanejar, mas agora imploro socorro, pois a situação que já estava ruim, agora ficou pior ainda pra mim.
Para ajudar:

Giselle Sarbouck Pastorello


Bradesco
Ag 475
Cc 62009-2


Itaú
Ag 1788
Cc 06613-0


BB
Ag 3131-3
Cc 19836-6

Contato: Giselle 11 9 89675885

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Protetora necessita ajuda...

clique em cima para ampliar

Pessoal,


As rifas que faço são para as contas que já estão em atraso e vencidas, então para as contas deste mês me resta tentar esta vaquinha para 3 resgatados: Banzé, Pantera e Cacau.
Eles todos estão no hotel da Lara Cristina Murawjew Valverde em Araçariguama, muitos já os conhecem, visitaram, sabem que são extremamente bem tratados, com tudo de primeira, pois prezo qualidade de vida sempre.

Por favor, daqui dois dias vencem os hotéis deles lá, pro Pantera não tenho nem ração, e ele come Eukanuba. Tenho ainda que comprar mais fraldas, ataduras, pomadas, fita adesiva, repelentes para todos eles, e a conta? Está ainda negativa, visto que as rifas estão pagando só contas vencidas dos resgatados

Quem poderia doar R$1,00? Cada centavo é muito válido e ajudará demais.

Abaixo os links dos álbuns deles no facebook. Vejam suas histórias, os álbuns são públicos, qualquer pessoa pode ver, e me digam se a correria toda vale a pena ou não. Eu acredito que sim, basta ver o antes e o depois de cada um.

Pantera:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.2410321273877.62870.1726615412&type=3

Banzé e Cacau:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1854295413578.51227.1726615412&type=3

Para ajudar:

Bradesco
Ag 475
Cc 62009-2

Itaú
Ag 1788
Cc 06613-0

BB
Ag 3131-3
Cc 19836-6

Eu agradeço imensamente a quem puder ajudar estes 3 anjos especiais, todos com alguma sequela do seu sofrimento anterior, mas, vencedores.

Giselle Sarbouck Pastorello

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Olha só que legal...

Mogli da vida real: conheça a história da menina que cresceu entre animais

Tippi viveu até os 10 anos de idade em Namíbia, na África, e teve dificuldades para se adaptar à civilização

Você se lembra da história de Mogli, o menino que foi criado na selva, em meio a muitos bichinhos? Pois é mais ou menos essa a história de Tippi Degre, que viveu na companhia de animais e da natureza por 10 anos, enquanto seus pais trabalhavam estudando a vida selvagem na África.
A mãe de Tippi, Sylvie Robert, acha que a filha foi uma criança muito sortuda por ter tido experiências de vida selvagem por tanto tempo na companhia dos pais, sem contato com muitos outros seres humanos. Tippi acreditava que os animais eram amigos do seu tamanho, sentindo-se completamente à vontade no mundo animal.
Uma de suas fotos mais surpreendentes é aquela na qual está abraçando um sapo, como se ele fosse um brinquedo, talvez um bichinho de pelúcia. E basicamente essa foi a infância de Tippi, em meio a animais e a uma vida completamente selvagem, livre de qualquer luxo, mas rica em experiências com a natureza.
Seus amigos de infância eram leopardos, elefantes, crocodilos, filhotes de leões, girafas, suricatos, cobras, zebras e camaleões. Você se imagina crescendo em meio a esses animais? Pois muitos deles, considerados violentos e perigosos, aceitaram Tippi sem maiores problemas. Os pais da menina gostavam de sempre se certificar, porém, de que os bichinhos selvagens não a machucariam.
Tippi teve contato também com tribos nativas da Namíbia e, com eles, aprendeu meios de sobreviver à vida selvagem, além de conseguir se comunicar, caçar e preparar seu próprio alimento à base de raízes e frutos.
Seus pais voltaram a Paris quando a menina tinha 10 anos. Já na Cidade Luz, Tippi foi levada para a escola e tornou-se uma espécie de celebridade, afinal, todos demonstravam interesse em saber da sua experiência na selva.
A vida na cidade era conturbada, pois ela demorou para se adaptar completamente com a civilização, tendo ido à escola por apenas dois anos. Depois disso, seus pais passaram a dar aulas caseiras a Tippi, que hoje, aos 23 anos, estuda cinema e ainda mantém proximidade com animais. Ela escreveu um livro chamado “Tippi da África”, que se tornou líder de vendas.
O site Hypeness publicou algumas fotos dessa história, entre elas estão algumas nas quais Tippi já está adulta:
fonte: megacurioso