Quem sou eu

sábado, 8 de março de 2014

olha só que legal...

Atleta paralímpico adota cadela de duas patas que usa cadeira de rodas

Apaixonado por histórias de lealdade entre homens e seus cães, um atleta paralímpico de Brasília tomou uma decisão despretensiosa, mas digna de roteiro de cinema: adotou uma cadela SRD que, depois de ser atropelada e abandonada, perdeu as duas patas traseiras. Vicky passou por tratamento, ganhou uma cadeira de rodas e há sete meses virou o xodó da casa de Marcondis Nascimento, de 39 anos, no Lago Norte.

O atleta soube da cadela por uma amiga que atua na ONG Projeto Adoção São Francisco, onde Vicky foi acolhida. Ela chegou a passar por um lar temporário, mas a responsável pediu ajuda para cuidar do animal, que apresentava muitas limitações.

“Fiquei muito irritado ao saber que ela foi abandonada nessa condição. É difícil entender o que se passa na cabeça de uma pessoa, mas não acreditei. Sou meio indiferente a emoção de filme, mas sempre que assisto ‘Marley e eu’ ou ‘Sempre ao seu lado’ eu choro de verdade, porque o que envolve animal me machuca, me dói demais”, disse.

Para recebê-la em casa, Nascimento construiu um canil exclusivo e colocou tatame no chão. Além disso, pediu a ajuda da mãe para monitorá-la. A residência tem outros cinco cães, além de dois gatos.

“Ela não consegue controlar o xixi e o cocô, então sempre tem que ter alguém limpando. Fora isso, tudo bem. Ela dá bem menos trabalho do que eu esperava. Eu tinha medo pela piscina, até de os outros saírem desembestados e a derrubarem sem querer, mas ela nem chega perto”, explica o atleta. “A gente só tem que ficar de olho porque ela quer correr o tempo inteiro, aí acaba batendo nas coisas e se arranhando.”

De acordo com Nascimento, Vicky é a mais arisca entre os animais e sempre chega primeiro ao portão quando tem visita. Pouco brincalhona, mas companheira, ela adora rolar no chão, rasgar o que encontra pela frente e comer abacates e mangas que caem do pomar da casa.

“Ela cuida da casa melhor do que ninguém. Esses dias um rapaz veio fazer um serviço para a gente e estava com medo de outro cão, que nem ligou para ele. Quem mordeu foi a aleijada”, ri. “Ela é brava com os outros. Morava na rua, então quer sempre comer logo, não deixa ninguém encostar no pote dela. E às vezes, quando você chega perto, ela reage como se tivesse medo, como se achasse que você quer bater.”

O atleta, que ficou paraplégico após levar um tiro nas costas aos 18 anos, durante uma briga entre famílias em Pernambuco, garante que não se comove pelo fato de Vicky também ser deficiente. Ele pratica tiro com arco e atualmente se prepara para uma competição nacional que ocorre em abril.

“Ela é nosso xodó, a gente tem que ter uma atenção maior, claro. E eu quero cuidar, quero ver como é isso de conviver com limitação, até porque tenho boa sensibilidade e sei me virar bem. Mas eu amo todos os meus bichos, quero o mesmo bem a todos, independentemente de ter algo ou não”, afirma Nascimento.
Responsável pelo amparo a Vicky na ONG, a protetora de animais Ana Lúcia Vieira afirma que alguns cuidados são importantes para quem vai se responsabilizar por um bicho, como comprar ração de boa qualidade e levá-lo periodicamente ao veterinário. Além disso, é importante ter carinho e paciência na fase de adaptação à família.

Já quando o animal tem alguma deficiência, é necessário observar outras coisas. “Tem que ter acessibilidade, uma casa em que seja possível circular de cadeirinha ou, mesmo quando não estiver usando, andar com segurança”, destaca.
fonte: anda

Nenhum comentário:

Postar um comentário