Quem sou eu

sábado, 9 de abril de 2016

A crueldade nossa de cada dia

...Enquanto escrevo isso, as lágrimas voltam, e não só por aquela ovelha criança (e não digam que estou antropomorfizando os animais; ao contrário, eu nos “animalizo”, porque somos animais antes de tudo, e não há vergonha em ser um animal; vergonha devemos ter de sermos animais tão tiranos e tão cegos, a ponto de, sendo tão inteligentes, não entendermos como somos os próprios atores da nossa tragédia); as lágrimas são por todos os milhões de animais que são mortos todos os dias, só para o dito bem-estar humano, uma degenerescência atávica dos tempos primitivos, em que a luta pela vida fez o homem optar pela escravidão de outras vidas ou também pela nossa ignorância, quando se pensava que o homem não poderia sobreviver sem consumir cadáveres, porque é isso que é a carne dos animais mortos.
fonte: Filosofia e Libertação Anima- Regina Schöpke

Nenhum comentário:

Postar um comentário